Os erros dos irmãos Dimond

INTRODUÇÃO

Os irmãos Dimond são dois monges beneditinos de Nova Iorque que, apesar de seguirem o ensinamento católico no que toca à questão do Papa, não fazem o mesmo quando se trata de (1) identificar o Anticristo, (2) interpretar certos textos de João Paulo II e (3) expor a doutrina católica sobre o batismo de desejo e de sangue.

Os textos e referências citados abaixo ajudarão o leitor a compreender melhor a natureza desses três erros mencionados no vídeo acima.

1. ANTICRISTO

Proposição Dimondiana: João Paulo II é o Anticristo.

Como sempre, as explicações católicas e confiáveis sobre esta matéria, encontram-se nas obras os Santos Padres e Doutores da Igreja, onde eles tecem comentários sobre a Segunda Carta aos Tessalonicenses, o Apocalipse e certas passagens dos Evangelhos e dos profetas sobre o fim dos tempos. Os três volumes indicados a seguir nada mais são do que compêndios bem-feitos destes ensinamentos.

BELLARMINE S.J., St. Robert. Antichrist (De Controversiis).Mediatrix Press: Edição Kindle, passim.

Contém muitas informações utilíssimas sobre o Anticristo, dentre as quais:

“Além dessas duas opiniões prováveis, existem duas certas: (1) O Anticristo virá particularmente em conta dos judeus e será recebido por eles como se fosse o Messias; (2) será nascido da nação e raça dos judeus, será circuncidado e observará o sábado, ao menos por um tempo.”

CULLETON, Rev. Fr. R. Gerald. The Reign Of Antichrist. TAN Books: Edição Kindle, passim.

Outra compilação da doutrina eclesiástica acerca do Anticristo, com muitas referências à revelações privadas a esse respeito. Dentre outras coisas, lemos que segundo São Cirilo de Jerusalém, n. 273:

“O Anticristo excederá em malícia, perversidade, cupidez, maldade, impiedade e desumana crueldade e barbaridade, todos os homens que já tenham desonrado à natureza humana… Ele, mediante seu grande poder, astúcia e malícia, sucederá em iludir e forçar dois terços da humanidade ao seu culto; a terça parte restante continuará sendo firmemente fiel à fé e ao culto de Jesus Cristo. Mas em sua ira satânica, o Anticristo perseguirá esses cristãos devotos e valentes durante três anos e meio e torturá-los-á COM tais extremos de barbarismo, com todos os seus velhos e novos instrumentos de dor, de modo a exceder todas as perseguições padecidas pela Igreja tomadas em conjunto. Ele obrigará todos os seus seguidores a gravarem sobre suas testas ou mãos direitas a marca da besta, matará de fome aqueles que se recusarem a recebê-la.”

MANNING, Card. Henry. The Present Crisis of the Holy See tested by Prophecy. London: Burns & Lambert, 1861, passim. Disponível em: <https://archive.org/details/ThePresentCrisisOfTheHolySee>. Acesso em: 12 mar. 2018.

Sobre a minha alegação de que os Dimond tomaram sua doutrina sobre o Anticristo das seitas protestantes, sei bem que parece inacreditável, mas é a mais pura verdade. Pelo menos, ante a similaridade que há entre elas, somos obrigados a constatar que, se não tomaram de propósito, ao menos chegaram essencialmente a mesma conclusão por terem pensado e agido como protestantes, o que dá no mesmo. Se você tiver estômago o bastante, dê uma olhadinha no que os protestantes ensinam sobre João Paulo II e compare-os com os ensinamentos dos Dimond. No mínimo dos mínimos, tais doutrinas são irmãs gêmeas, nascidas na maternidade da burrice humana.

Nota bene: os protestantes mudaram de tom e falam agora muito do retorno do Anticristo a fim de reciclar o velho argumento de que João Paulo II era o Anticristo enquanto estava vivo. Porque, de fato, não basta ser burro uma vez, debochando do testemunho de tantos doutores de inquestionável santidade e sabedoria, não, preciso é ser burro sempre, não aprendendo com os próprios erros, e teimando até o extremo da mais pura idiotice.

Claro que, hoje em dia, “o consenso unânime dos teólogos” de araque, tende a crer que Francisco seja o Anticristo. Longe deles nutrir a leve suspeita de que este dito Anticristo tem mais coisas em comum com eles do que eles poderiam imaginar e que isso mesmo os torna colaboradores do verdadeiro Anticristo.

2. JOÃO PAULO II

Proposição Dimondiana: João Paulo II disse que o homem é Deus.

Qualquer que tenha a menor notícia da vida de João Paulo II, salvo os caluniadores sem cérebro e coração, sabe muito bem que: (1) ele era uma pessoa simpática e generosa, não faria mal a uma mosca, e isso em nada contradiz o fato dele ter sido um herege manifesto pelo seu ecumenismo, mas isso certamente impede que o tenhamos na conta de Anticristo em pessoa; (2) seu personalismo não diz que o homem é Deus, mas que este possui uma dignidade tal que ninguém tem o direito de se meter na vida dele, ele é independente para escolher a religião que quiser, fazer proselitismo como, quando e onde quiser e isso é muito bom para a sociedade dentro de seus limites etc.

Informações importantes para a reta compreensão da pessoa e do pensamento de João Paulo II (Karol Wojtyla) podem ser encontradas em muitos lugares, seguem algumas indicações:

COOMARASWAMY, Dr. Rama P. The Destruction of the Christian Tradition. Updated and revised. Bloomington: World Wisdom, 2006, passim. Disponível em: <https://portalconservador.com/livros/Rama-Coomaraswamy-The-Destruction-of-the-Christian-Tradition.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2019.

Na segunda parte sobre os Papas Conciliares, o autor apresenta dados relevantes sobre o curriculum vitae de Karol Wojtyla.

KONINCK, Charles de. De la Primauté du Bien Commun contre les Personalistes. Laval: Editions Fides, 1943. Disponível em: <http://salve-regina.com/images/a/a5/De_la_primaut%C3%A9_du_bien_commun_contre_les_personnalistes.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2018.

Livro escrito bem antes de João Paulo II dar início a sua empreitada personalista, publicado justamente para evitar que os católicos caíssem na armadilha do personalismo pseudo-tomista de Jacques Maritain. Infelizmente a maioria se fez de surdo e caiu de cabeça na arapuca do humanismo integral.

WOJTYLA, Karol. Estou nas Mãos de Deus: Anotações Pessoais 1962-2003. Tradução de Sandra Martha Dolinsky e Magda Lopes. São Paulo: Planeta, 2014.

Escritos espirituais de João Paulo II, dão mostras de sincera devoção deste homem a Cristo, mas também revelam o quanto ela estava tristemente infectada com as filosofias do século e o “espírito do Vaticano II’.

____. Max Scheler e a Ética Cristã. Tradução de Dalva Toledo Pisa. Curitiba: Editora Universitária Campagnat, 1993.

Diga com quem andas, e eu te direi quem tu és. Testemunhos dos flirts de Wojtyla com as vãs filosofias de seus dias. Sempre aquele foco torto e desmesurado na “pessoa humana”, sempre tentando dar muita autoridade ao homem mundano e pouca a Deus e seus profetas.

3. BATISMO DE DESEJO

Proposição Dimondiana: O batismo de desejo e de sangue é uma heresia que contradiz o dogma de que fora da Igreja não há salvação, extra ecclesiam nulla salus.

Este é o ponto principal e grande pedra de tropeço para os Dimond. Não importa o quanto as pessoas caridosamente expliquem para eles a doutrina católica, que mostrem os documentos e a solidez da doutrina, eles teimam em dizer que o que é um dogma é uma heresia. Neste ponto, não há muito recurso senão referir ao ensinamento constante da Igreja Católica, o qual, afinal de contas, goza da infalibilidade do Magistério do Papa e dos Bispos.

PAPA PAULO III, Concílio de Trento, VI Sessão (sobre a justificação) in: DENZINGER-HÜNERMANN. Compêndio dos Símbolos, Definições e Declarações de Fé e Moral. São Paulo: Paulus-Loyola, 2010, p. 401-2 (n. 1524).

“Com estas palavras se esboça uma descrição da justificação do ímpio: é a passagem do estado no qual o homem nasce filho do primeiro Adão, ao estado de graça e ‘de adoção dos filhos de Deus’ [Rm 8,15], por meio do segundo Adão, Jesus Cristo nosso Salvador; esta passagem, depois do anúncio Evangelho, não pode acontecer sem o banho da regeneração [cân 5 sobre o batismo] ou sem o desejo dele [aut eius voto], como está escrito ‘Se alguém não renascer da água e do Espírito Santo, não poderá entrar no reino de Deus.’ [Jo 3,5].”

(Papa Paulo III, Concílio de Trento, VI Sessão)

img_20180312_114019.413

PAPA SÃO PIO V. Catecismo Romano. Tradução de Frei Leopoldo Pires Martins, O.F.M. Petrópolis: Vozes, 1950, p. 229 (Do Batismo, § 35).

“Tratando-se de pessoas já em uso da razão, a firme vontade de receber o Batismo, unida ao arrependimento das faltas da vida anterior, é quanto basta para conseguirem a graça da justificação, se sobrevier algum acidente repentino, que as impeça de receber a ablução sacramental.”

(Catecismo Romano, Do Batismo, § 35)

PAPA SÃO PIO X. Catecismo maior de São Pio X. Niterói: Permanência, 2009, p. 99 (n. 565).

“Pode suprir-se de algum modo a falta do Baatismo?

A falta do Batismo pode supri-la o martírio, que se chama Batismo de sangue, ou um ato de amor perfeito a Deus, ou de contrição, junto com o desejo, ao menos implícito do Batismo, e este ato chama-se Batismo de desejo.”

(Catecismo Maior de São Pio X, 565)

Para mais informações, leia o artigo Batismo de Desejo e Princípios Teológicos de Padre Anthony Cekada, disponível em português no site do Coetus Fidelium. Ou então, leia este compêndio em inglês com inúmeras fontes comprovando o que já sabemos pelo que se viu acima: o batismo de desejo e de sangue é doutrina catolicíssima, a nós anunciada pelo Magistério da Igreja e ponto final.

CONCLUSÃO

As proposições dimondianas discutidas acima são patentemente falsas e devem ser rejeitadas pelos católicos. Como eles aderem pertinazmente à última delas, acerca do batismo de desejo e de sangue, não se pode concluir senão que são hereges manifestos e que a doutrina deles a esse respeito é tão humana e fraudulenta quanto às toscas maquinações dos protestantes em geral. Queira Deus que eles se convertam e parem de disseminar essas bobagens pelo mundo.

Leia também: O Catecismo Romano versus os Irmãos Dimond.

9 comentários em “Os erros dos irmãos Dimond

  1. Artigo muito bem pontuado e distinguidor! É um absurdo um pretenso católico dizer que a Santa Igreja Católica é a prostituta do Apocalipse, quando na verdade é inequìvocamente a cidade de Jerusalém. Esse é um delírio dos hereges protestantes, que no anseio diabólico de caluniar a Igreja, deram para se aproveitar dum artigo dos irmãos Dimond que chama a Igreja de Babilônia. O Cris Macabeus, apesar de ser crítico dos sedevacantistas, observou muito bem esse oportunismo e embuste protestante, fazendo um vídeo sobre isso:

    Paz e Bem!

    Curtir

  2. Uma questão para os sedevacantistas: Se não há hierarquia papal válida e os bispos em sua quase integralidade apóstatas e fora da Igreja como poderá ocorrer a consagração a Russia feita por Papa e bispos do mundo inteiro legítimos ?

    Curtir

    1. Primeiro ponto muitíssimo importante: nenhum católico é obrigado a crer em revelações privadas (como as de Fátima) e, neste caso em particular, muito menos, porque se trata de uma interpretação (a meu ver errônea) sobre a tal da consagração da Rússia (criada pelo “Padre” Gruner).

      Segundo ponto, enquanto a questão de Fátima é muito controversa e não obriga a consciência católica, o dogma de que a Igreja não pode dar más doutrinas, leis e culto aos fiéis é um dogma de fé que todo católico está obrigado a manter. Se o senhor diz que Francisco e os bispos conciliares são a hierarquia católica, então o senhor é forçado a negar este dogma – além de ser forçado a crer que pessoas que negam a fé que conhecem perfeitamente bem continuam sendo membros da Igreja.

      Por fim, afirmo que mesmo que a interpretação do Padre Gruner seja correta – o que não me parece nenhum pouco, penso que esta foi feita por Pio XII, mas “já era tarde” como diz Nossa Senhora no segredo, o que resultou na apostasia geral do Vaticano II -, ainda assim é óbvio que a Providência pode encontrar meios de resolver o problema sem contradizer-se a si mesma (ou seja, falhando em proteger a Igreja contra defeitos em seus ensinamentos, leis e culto), seja se servindo dos bispos tradicionais que ainda restam, seja fazendo descer os Apóstolos Pedro e Paulo para apontar o Papa, como dizem algumas profecias.

      Em todo caso, o fato do sedevacantismo permanece inegável e, se o senhor quiser negá-lo mesmo assim, na prática o senhor é tão sedevacantista quanto eu, porque o senhor não é louco de se submeter a um herege como Francisco – a sua obediência é somente dá boca para fora, você jamais vai pensar em conformar os seus pensamentos, ações e desejos ao desse terrorista da fé católica. Mas, claro, se o senhor quiser coerência entre o que o senhor diz e faz, é muito necessário assumir que Francisco não é papa, pois caso contrário nada absolutamente justificaria a sua recusa em aceitar os ensinamentos, as leis e a Missa do Papa. Em realidade, o senhor jamais poderia dizer que a Missa Nova é má – como ela realmente é – e tampouco poderia dizer que o catecismo e código oficial da Igreja Católica contém espantosas heresias – como realmente contém. Em suma, o senhor seria obrigado a negar o óbvio para manter uma fidelidade que não existe, uma fidelidade que exige que o senhor creia e faça coisas não católicas.

      Curtir

      1. Vejamos até onde o senhor crê que a sede esteja vacante, já que Nosso Senhor diz que quem quiser salvar sua vida vai perdê-la e quem quiser perdê-la por Ele, irá salvá-la . Ofereceria sua vida neste instante por essa verdade que diz crer? ( que todos os papas pós conciliares – CVII são impostores) Uma outra pergunta : O senhor diz que Fátima é uma uma revelação privada e que ninguém é obrigado a crer . Se assim o é por que os sedevacantistas quase na totalidade a utilizam como cavalo de batalha quando lhes convém?

        Curtir

      2. Saudações caríssimo, obrigado pelo comentário. Quanto ao primeiro, o senhor sabe muito bem que o sedevacantismo é uma verdade de fato e não um dogma, ele obriga você da mesma forma que 2 + 2 = 4 ou que a verdade que um quadrado redondo não existe. Como ser um católico coerente hoje em dia demanda o reconhecimento desse fato, caso contrário você precisaria crer que o vigário de Cristo é também o vigário do demônio, então é claro que eu morreria por ela. Com efeito, lembre-se que estar em comunhão com hereges é pecado mortal. Entre “estar em comunhão” com um herege da espécie de Francisco e a morte, eu prefiro a morte.

        Quanto ao segundo, argumento de números nem sempre é bom. A maioria dos ditos católicos hoje em dia possuem péssimas ideias sobre tudo e são plenamente ignorantes da doutrina cristã. Se queremos argumento direito nessa matéria, temos que julgar as coisas pelas cabeças. No nosso caso dos sedevacantistas, a questão seria o que os bispos e padres sedevacantistas ensinam sobre Fátima? A resposta é que eles ensinam o que disse acima: Fátima é uma revelação privada e a Igreja ensina que revelações privadas não exigem o assentimento dos fiéis. Entretanto, desde que não se compre a lenga-lenga da “indústria de Fátima” (do padre Gruner & Cia.), pode-se enxergar nela o presságio da apostasia conciliar.

        Se eu fosse o senhor pensaria duas vezes antes de ir em uma missa em comunhão (una cum) com Francisco. Não é nada bom estar em comunhão com um herege, é um contra-testemunho

        Curtir

    1. Saudações caríssimo, obrigado pelo comentário. O sacramento da Eucaristia e de ordenação presbiteral são de validade duvidosa; o sacramento de ordenação episcopal é inválido e, por conseguinte, ordenações e crismas conferidas por bispos Novus Ordo são inválidas; o saramento da penitência é inválido se for ministrado por um sacerdote ordenado por um bispo consagrado no rito de Paulo VI; o sacramento do matrimônio e do batismo são válidos; ignoro a validade do rito de extrema unção, mas é certamente ilícito que um leigo o ministre e este é o estado da maior parte dos sacerdotes Novus Ordo.

      Curtir

      1. Obrigado pelas respostas irmão.Mas e em relação aos católicos de rito oriental,seus sacramentos não foram afetados pelo CVII?(Segundo sua perspectiva sedevacantista).

        Curtir

  3. “Quanto ao primeiro, o senhor sabe muito bem que o sedevacantismo é uma verdade de fato e não um dogma, ele obriga você da mesma forma que 2 + 2 = 4” Desculpe mas o senhor deduz , aliás sem me conhecer e somente por minha pergunta já quer afirmar o que eu sou obrigado a acreditar. Fala sobre a possibilidade , ou preferência . Não perguntei sobre opção ou preferência. Por isso reformulo novamente a pergunta: Deus pode lhe tirar a vida hoje se o sedevacantismo não for verdadeiro ? Ou então se quiser quando se crê em algo, a verdade cabe na proposição: Deus pode lhe tirar a vida hoje como prova de que o sedevacantismo é verdadeiro? Agora você pode escolher uma das duas para dar o seu testemunho, pois da Verdade não se escapa.

    Curtir

Deixe uma resposta para Diogo Rafael Moreira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s