A Missa de Caim

A MISSA DE CAIM

Por Louis Demornex

A Missa Nova remonta ao sacrifício de Caim e não ao de Abel. De fato, encontra-se no ofertório da Missa Nova: “Bendito sejais, Senhor, Deus do Universo, pelo pão que recebemos de Vossa bondade, fruto da terra e do trabalho humano: que agora Vos apresentamos e para nós se vai tornar Pão da vida”. Quem é esse Deus do Universo? “Bendito sejais, Senhor, Deus do Universo” é uma expressão da cabala judaica. Não se diz: “Bendito sejais, Deus, Criador do Universo”, mas: “Bendito sejais, Deus do Universo”, que é Deus imanente ao universo, alma da matéria. Isso é tipicamente cabalístico.

Um livro escrito por um maçom luciferiano fornece a resposta: “O que, então, é o Senhor dos Céus, se não o Deus dos preguiçosos, dos ociosos e dos vagabundos que imaginam o espírito e estão saciados de matéria, que vivem de ideias e consomem a realidade? Não há espírito sem matéria, posto que se identificam entre si; caso contrário, o Senhor do Céu é o Deus do Nada, enquanto Satanás é o Deus do Universo! Deus do Universo, porque compreende espírito e matéria em um único ser, não podendo subsistir um sem o outro. Isso por si só deve ser para nós o Deus que governa ambos, e este é Satanás.” (Domenico Margiotta: Le palladisme: Culte de Satanás-Lúcifer in les triangles maçonniques, Grenoble 1895, p.44).

O Cardeal Montini, em 27 de março de 1960, em Turim, disse: “O homem moderno não chegará um dia, à medida que seus estudos científicos progridem e descobrem realidades escondidas atrás da face muda da matéria, a inclinar o ouvido à maravilhosa voz do espírito que nela palpita? [heresia panteísta, popularizada na década de 1950 por Teilhard de Chardin]. Não será essa a religião do amanhã? O próprio Einstein entreviu a espontaneidade de uma religião do universo. Ou não será, talvez, a minha religião hoje? Os trabalhos já não estão, desde já, engajados na trajetória direta que leva à religião?” (La Documentation Catholique. N ° 133, 19 de junho de 1960, p.764-765).

Montini nos permite, assim, vislumbrar que o panteísmo evolucionista era desde então sua religião pessoal. Não é de se admirar que essa “religião do universo” inspirará o Missal Montiniano: “Bendito sejais, Senhor, Deus do Universo”. A esse misterioso Deus do Universo o fruto da terra é oferecido como alimento.

Na Missa Verdadeira, o padre diz: “Recebei, Santo Pai, Deus Todo-Poderoso e Eterno, esta vítima imaculada”, isto é, o Cordeiro de Deus, o mais belo do rebanho, a ser oferecido. Para entender o profundo significado dessa diferença, voltemos à Sagrada Escritura: “Depois de muito tempo, Caim ofereceu o sacrifício dos frutos da terra a Deus; Abel então ofereceu o primogênito de seu rebanho, dos mais gordos. Deus olhou para Abel e seus dons, mas não olhou para Caim e seus dons. Caim ficou com muita raiva e seu rosto se desfez. Disse Caim a seu irmão Abel: “Vamos sair “. Logo que chegaram ao campo, Caim se levantou contra seu irmão Abel e o matou”. (Gen. IV, 5-6, 8).

Como não comparar esse evento histórico com a “igreja conciliar”, que se tornou a igreja de Caim, com seu rito (a “nova missa”) que quer matar a Igreja de Abel, com seu rito agradável a Deus (Santa Missa de sempre, dita “de São Pio V”)? Como podemos ver, esse desejo dos inimigos da Igreja de destruir o Santo Sacrifício já vem de muito tempo.

(L’Église éclipsée, Ed. Delacroix 1997, p. 236, nota 1).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s