Unidade e Trindade de Deus

2.ª Lição de Catecismo da Doutrina Cristã: A Unidade e Trindade de Deus

Breve recapitulação da lição sobre o Sinal da Cruz.

I. Há um só Deus em três pessoas realmente distintas: Pai, Filho e Espírito Santo.

II. Este único Deus é uma espírito perfeitíssimo, eterno, criador do céu e da terra. Ensina-o a razão e confirma-o a fé.

III. Ele é espírito perfeitíssimo, porque não é limitado pelo espaço, mas está em toda parte e ainda assim é maior do que o universo inteiro; ele é eterno, porque não é limitado pelo tempo, mas desde sempre foi, é e será; ele é criador do céu e da terra, porque ele é a causa primeira de todas as coisas criadas.

IV. O célebre astrônomo Atanásio Kirchner tinha um amigo que não acreditava na existência de Deus e frequentemente dizia que os planetas se fizeram a si mesmos. Um dia, quando este amigo visitou o astrônomo, ele achou em um canto de seu laboratório um belíssimo globo. “Quem fez este globo?”, perguntou ele. “Ninguém o fez”, Kirchner respondeu, “ele se fez sozinho”. E quando seu amigo parecia irritado com a sua resposta, ele acrescentou: “Se os imensos planetas do céu se fizeram a si mesmos, então por que não este insignificante globo?” O descrente ficou pensativo e reconheceu que seus princípios eram falsos.

V. Este único Deus é a Santíssima Trindade. O Pai é a Primeira Pessoa da Santíssima Trindade. O Filho é a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. O Espírito Santo é a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são um só e o mesmo Deus, iguais em poder, sabedoria e bondade.

VI. A Igreja adora a Santíssima Trindade de Deus de muitos modos, especialmente na seguinte oração cotidiana: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Assim como era no princípio, agora e sempre e por todos os séculos dos séculos. Amém. Deve-se sabê-la de cor e repeti-la muitas vezes ao dia.

VII. O mistério da Santíssima Trindade é ao mesmo tempo incompreensível e certíssimo. Ele é incompreensível, porque supera o entendimento humano; ele é certíssimo, porque foi revelado pelo próprio Deus.

VIII. Um dia, nos princípios da sua conversão, conta-se que Santo Agostinho andava passeando à beira-mar enquanto tentava entender o mistério da Santíssima Trindade. Submergido em tão profunda meditação, casualmente notou que um menino estava muito afadigado tirando com uma concha a água do mar para deitá-la logo depois num buraco aberto na areia. “Menino”, para que estás tirando água com tanto empenho?” Perguntou-lhe Agostinho. “Nada”, respondeu ingenuamente o menino, “não estou nada mais que mudando para este buraco toda a água do mar”. Daí Santo Agostinho riu-se ao ouvir tão insensata pretensão. Porém, o menino, assumindo um semblante severo e brilhando com luz angelical, replicou-lhe: “Como não julgas coisa fácil o que eu pretendo? Pois bem, fica sabendo que é mais fácil mudar a água do mar para este buraco do que compreender com uma mente limitada o mistério da Santíssima Trindade!”

IX. Este mistério é incompreensível, mas encontram-se na natureza muitos sinais que apontam para esta verdade. Eis alguns exemplos:

a) Toda matéria, não importa sua natureza e forma, tem sempre três dimensões: altura, largura e profundidade. As dimensões são realmente distintas uma da outra, mas existem no mesmo ser.

b) Os estados da mesma matéria são três: sólido, líquido e gasoso.

c) O sol tem luz, raios e calor: três coisas distintas numa só substância.

d) Cada raio luminoso reduz-se a três cores: vermelho, azul e verde.

e) A árvore tem raiz, tronco e ramos.

f) O ramo tem folha, flores e fruto.

g) O mundo terrestre se divide em três reinos: mineral, vegetal e animal.

h) Em cada animal há três funções: nutrição, respiração e movimento.

i) No homem há três vidas: vegetativa, sensitiva e racional.

j) A família se compõe de pai, mãe e filhos.

k) O juízo racional é composto de sujeito, predicado e verbo.

l) Na alma humana há o entendimento, pensamento e amor. 

X. Geron, rei da Sicília, fez construir uma nau, e ficou tão grande e pesada que todos os esforços que se fizeram para lançá-la a água se mostraram inúteis. Recorreu nestas circunstâncias ao célebre matemático e mecânico Arquimedes. que prometeu ao rei construir uma máquina muito simples, com a qual uma pessoa só faria o que muitos homens, animais e máquinas poderosíssimas não tinham conseguido. Todos se riram, inclusive o próprio rei, ao ouvir a afirmação de Arquimedes. Grande foi, todavia, o espanto geral quando viram o mesmo rei, convidado por Arquimedes, mover com muito pouco esforço uma alavanca, levantar com este instrumento a nau e lançá-la ao mar. Maravilhado o rei com tão feliz resultado, conta-se que exclamara: “Doravante qualquer coisa que Arquimedes diga, ordeno que seja imediatamente acreditada, ainda que não se entenda.” Ora, se tanta é a força da palavra de um sábio, que é capaz de subjugar o nosso entendimento, até mesmo naquilo que não se compreende, quão irracional seria então negar crédito ao mistério da Santíssima Trindade, proposto a nós pela infinita sabedoria de Deus!

Anúncios

O Sinal da Cruz

1.ª Lição de Catecismo da Doutrina Cristã: O Sinal da Cruz

I. Cristão é o batizado que professa a doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo.

II. A doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo se divide em quatro partes: Credo, Padre Nosso, Mandamentos e Sacramentos. As três primeiras partes correspondem às virtudes teologais da Fé, Esperança e Caridade. A última parte são os meios pelos quais essas virtudes são promovidas.

III. A doutrina cristã é como uma casa. A fé é o fundamento, a esperança são as paredes, a caridade é o teto, os sacramentos são os móveis da mesma casa.

IV. O sinal do cristão é o Sinal da Cruz. Ele distingue o cristão dos infiéis.

V. O Sinal da Cruz é feito de dois modos: persignando-se e benzendo-se. Persignar-se é fazer três cruzes com o polegar direito, a primeira na testa, a segunda na boca e a terceira no peito, dizendo: Pelo Sinal + da Santa Cruz, livrai-nos Deus + Nosso Senhor, dos nossos + inimigos. Benzer-se é fazer um cruz com a mão direita, indo da testa ao peito e depois do ombro esquerdo ao direito, dizendo: Em Nome do Pai e do Filho + e do Espírito Santo.

VI. O Sinal da Cruz indica os dois principais mistérios da Doutrina Cristã: (1) a Unidade e Trindade de Deus e a (2) Encarnação e Paixão de Nosso Senhor. “Em Nome” significa a Unidade de Natureza e Poder de Deus. “Pai, Filho e Espírito Santo” são as três pessoas realmente distintas da Santíssima Trindade. A Cruz significa tanto a Encarnação quanto a Paixão de Nosso Senhor. 

VII. O Sinal da Cruz deve ser feito ao despertar, antes de dormir, antes e depois das refeições e do trabalho, ao entrar e sair da Igreja, em momentos de perigo e especialmente antes e depois de fazer a oração.