O Sacramento da Extrema-Unção

Compartilhar controvérsia

12.ª Lição de Catecismo da Doutrina Cristã. A Extrema-Unção.

Revise a lição sobre o Sacramento da Penitência.

I. A Extrema-Unção é o sacramento instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo para o alívio espiritual e também temporal dos enfermos em perigo de vida.

II. Se um sacramento nos foi preparado às portas da vida para nos abrir os caminhos da graça, também é preciso de outro que às portas da morte nos abra os caminhos da glória. Este sacramento é a Extrema-Unção, assim chamada por ser a última unção recebida pelo fiel. De fato, a primeira unção se recebe no Batismo; a segunda no Crisma ou Confirmação; a terceira, caso se faça sacerdote, na Ordem, e a quarta e última se dá neste sacramento que por isso recebe o nome de Extrema-Unção, ou seja, a última unção. Também é chamado de Santos Óleos, Santo Óleo ou Santa Unção por ser administrado com óleo bento pelo bispo na Quinta-Feira Santa.

III. Não sabemos em que tempo Nosso Senhor instituiu este Sacramento. O Evangelho nos diz que os Apóstolos, mandados por Cristo a pregar na Galileia e na Judeia, ungiam os pobres e enfermos  com óleo e assim os curavam (Mc 6, 13). Isso era sem dúvida uma figura deste sacramento, que São Tiago Apóstolo mostra ser plena realidade em sua Epístola: “Se algum dentre vós cai enfermo, chamai para junto de si os presbíteros da Igreja e estes façam oração sobre ele ungindo-o com óleo em nome do Senhor, e a oração da fé salvará o enfermo e o Senhor o aliviará e, se se encontra em pecado, os seus pecados lhes serão perdoados.” (Tg 5, 14-15)

IV. Encontra-se nesta passagem todos os elementos de um verdadeiro e autêntico sacramento. O sinal sensível é a bênção feita sobre o corpo do enfermo, juntamente como a oração feita pelo sacerdote; a graça invisível é a remissão dos pecados e o alívio espiritual e temporal do enfermo; sua instituição é divina, pois somente Deus pode conferir virtude sobrenatural a um sinal natural. Quanto à matéria, forma e ministro: a matéria remota é o óleo de oliveira benzido pelo bispo; a matéria próxima são as unções feitas com este óleo em forma de cruz sobre o corpo de moribundo; a forma é a oração pronunciada pelo sacerdote enquanto faz as unções; o ministro é o sacerdote católico.

V. As unções fazem-se justamente nas partes do corpo que Deus concedeu aos homens como órgãos dos sentidos: olhos, ouvidos, nariz, boca e mãos. Costuma-se também ungir os pés e os rins, omitindo-se esta última nas mulheres por questão de honestidade e pudor. É necessário, diz São Tomás, aplicar às fontes do pecado o remédio que deve curá-lo. Assim todos os sentidos do homem, contaminados pelo pecado, são purificados e santificados pela graça de Deus.

VI. Os efeitos deste sacramento são principalmente (1) o perdão dos pecados veniais e também dos mortais que o enfermo arrependido já não pudesse confessar; (2) a força para suportar pacientemente os males da enfermidade, para resistir às tentações e morrer santamente; (3) a saúde do corpo, se for útil para a salvação da alma.

VII. O Sacramento da Extrema-Unção só se pode dar aos doentes, sendo necessário que se verifique risco de vida. Não pode ser dado aos sãos, nem aos acometidos de doença leve. Se possível, deve ser recebido somente depois da administração do Sacramento da Penitência e da Eucaristia, pois, cono Sacramento dos vivos, deve ser recebido na graça de Deus. Por fim, é bom recebê-lo quando ainda se está no uso das faculdades e há alguma esperança de vida, para que o enfermo tire dele maior proveito.


Compartilhar controvérsia

Um comentário em “O Sacramento da Extrema-Unção

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.